quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Ateísmo e abortismo: irmãos siameses

Todos os leitores deste blog se lembram na confusão que um bando de amalucados fez aqui devido a um texto que desmascarava a ligação do ateísmo com os genocídios que mancharam a história do século passado, pois bem, neste vídeo que posto hoje, meu amigo Leonardo Bruno, o Conde, mostra como a vinculação criminosa entre o ateísmo militante e a desvalorização da vida humana permanece uma constante por meio da defesa do aborto:   

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Eles preferem viver às escuras!

A tirania do igualitarismo e a liberdade da obediência

Uma reflexão bem interessante de autoria de Marcos Eduardo Melo dos Santos e publicada na seção de opinião da Gaudium Press:

O homem nunca viverá sem "dogmas".

Por mais que nos últimos séculos todas as verdades - mesmo as mais sacrossantas - afirmadas sem medo e sem jaça pareçam ser retrógradas e antipáticas, ainda é verdade que nossos contemporâneos não sabem viver sem elas.

Dogmas não eclesiásticos, mas sim sociais, cujo domínio é aceito por tácita imposição e velada ameaça por toda a opinião pública mundial. Ai! daquele que queira destes "dogmas" discordar... Logo, é excomungado do vento da moda, queimado na fogueira do convívio social, perseguido pela inquisição do isolamento. Ser superior, estar acima dos outros por qualquer título que seja, significa subjugar, sorver do próximo algo de sua dignidade, qualificar o inferior com a tara de inepto. Em consequência, estar submisso significa carecer de personalidade, opinião e liberdade. Significa ser alienado. Dado a outro, de tal forma, que se abandona o que se tem de mais íntimo e de mais nobre do próprio ser: a inteligência e a vontade humana.

Dentre os "dogmas" não eclesiásticos que subjugam os homens iludidos pela atual liberdade de pensamento, o igualitarismo parece ser o mais tirano. Sim. Hoje, a liberdade e a fraternidade só parecem verdadeiras se encerram em si o princípio fundamental da igualdade. Há ainda quem diga que esta opinião em nada nega os princípios do catolicismo. Como argumentos usam eles dos princípios mais inefáveis. Afinal, o Apóstolo não aconselhou aos senhores de Colossos tratarem seus servos "com justiça e igualdade" (Col 4,1)? E as pessoas da santíssima Trindade não são idênticas (iguais) apesar de distintas?

O conceito de igualdade é assim paulatinamente baldeado para o sinônimo de dignidade. Só é possível respeitar a natureza humana ao se afirmar a igualdade entre patrão e empregado, pais e filhos, varão e mulher, homem e animal. Será isto o ideal da humanidade ou simples utopia ensinada por alguns?

Mas há Mestre que leciona de modo diverso. São Paulo afirma que "Cristo Jesus sendo de condição divina, não se prevaleceu de sua igualdade com Deus, mas aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens" (Fl 2,5-7). Neste passo, o Divino Mestre abandonou a mais sublime das igualdades para ensinar a beleza da obediência.

Seria demasiado superficial afirmar que o Salvador negou-se em ser igual ao Pai para em última análise deixar os arcanos da divindade a fim de gozar do igualitarismo completo para com os homens. Cristo, sim, abandonou a igualdade para "assumir a condição de escravo" de Deus Pai, quis Ele ser inferior de alguma forma às criaturas racionais, entregando sua vida em benefício daqueles que por nenhum mérito mereceriam a dádiva infinita de seu sangue adorável: "Jesus se fez obediente, até a morte, e morte de Cruz" (Fl 2,8).

Desde o momento da Encarnação até sua Paixão, Deus Filho ensinou através da obediência a beleza da hierarquia e a origem divina do princípio de autoridade (Cf. Jo 19,11). O Redentor assim o fez para que sejamos homens livres pela obediência e não nos submetamos outra vez à tirania do igualitarismo (Cf. Gal 5,1).

Da oração (em geral)

1) Definição:
  • Elevação da alma a Deus
  • Petição a Deus
  • Comunicação com Deus
» orar = rezar

2) Necessidade da oração:
  • É um dever: Lucas XVIII, 1
  • Jesus rezava: Lucas VI, 12
» Nosso Senhor rezava para dar o exemplo, pois, sendo Deus, não precisava
  • Os Apóstolos nos exortaram a rezar como um meio para conseguirmos o que precisamos (I Pedro III, 7/IV, 7; Romanos XV, 30; I João III, 22)
3) Utilidade da oração:

a) Glorificação de Deus

b) Envio de pedidos

c) Fonte de alegria (João XVI, 24)

d) Ouvida de pedidos (Isaías LVIII, 9)

» Por que Deus não nos atende da maneira que esperamos? Porque não necessitamos (no que se refere à perfeição espiritual) o que estamos buscando, porque não é a hora, ou porque não sabemos pedir.

e) Aumenta:

I - A fé (Romanos X, 14)

II - A confiança

III - A caridade

IV - O fervor

V - A humildade

VI - A coragem

f) Purifica a consciência

g) Aplaca a cólera divina (Êxodo XXXII, 7-14)

4) Como devemos pedir? Com atenção e piedade.

5) Espécies de oração:

I Timóteo II, 1: Adoração e Petição

Adoração (Salmo XLIX, 15)

a) Adoração (louvor)

b) Ação de graças (reconhecimento)

c) Expiação (reparação): confissão/contrição/aceitação das provações/oblação como vítima de expiação/espera do perdão

Petição (é uma homenagem - Mateus VII, 7)

a) A quem pedir: a Deus em primeiro lugar, e a Nossa Senhora e aos Santos (como intercessores)

b) Saber o que pedir (Mateus XX, 22)

c) Pedir coisas materiais condicionalmente à vontade de Deus (Gênesis XXVIII, 20s)

d) Pedir a Glória de Deus

e) Por quem pedir: pelos pastores, governantes, pelos bons e piedosos, pelos nossos inimigos, pelos que estão afastados da Igreja, pelas almas do Purgatório, pelos que pecam contra o Espírito Santo

6) Variantes:

a) Oração mental (meditação)

b) Oração vocal (se expressa através de palavras e gestos)

c) Oração privada

d) Oração pública (oficial)

7) Conselhos finais: devemos orar em nome de Jesus, com perseverança, e, quando possível, junto com a prática do jejum e da esmola.

Doutrinação no sistema de ensino - mais uma patifaria do MEC

Depois dessa corajosa denúncia do senador Demóstenes Torres, fica claro porque o MEC  não passa de um órgão aparelhado por esquedopatas com os mais diversos tipos de transtornos pelos quais esse mal se exterioriza:

Marcha nacional pela vida

quarta-feira, 3 de agosto de 2011