sexta-feira, 29 de junho de 2012

Comunhão dos Santos

Dando continuidade ao estudo do IX artigo do Credo (as outras partes podem ser lidas aqui e aqui), vamos analisar agora sua segunda seção: "na Comunhão dos Santos".

Em primeiro lugar cabe uma palavra sobre o que vem a ser santo. Na linguagem popular tomamos por santo aquele que foi canonizado pela Igreja ou, entre os que sabem um pouco mais sobre a doutrina católica, aqueles que, canonizados ou não, estão na presença do Senhor. No IX artigo, contudo, a palavra santo vai ter um significado mais amplo, pois ela indica:

a) Aqueles cuja santidade é um fato consumado, os eleitos (canonizados ou não)/Igreja trunfante;

b) Aqueles cuja santidade é como que latente, em potência; e este vêm a ser:
  1. As almas do Purgatório, que hão de entrar no Céu/Igreja padecente;
  2. Os fiéis na Terra, que estão sendo santificados pelos sacramentos/Igreja militante.
Visto isso, podemos entender melhor a seguinte definição do objeto de nosso estudo:

Entre os membros (vivos ou mortos) do Corpo Místico de Cristo (a Igreja), existe um vínculo que une a todos e pelo qual todos participam dos mesmos interesses e dos mesmos bens espirituais. Este fato chama-se Comunhão dos Santos.

Em qualquer sociedade bem organizada, os membros são solidários, isto é, participam das riquezas, das alegrias, e também dos revezes e das tristezas da comunidade. É isso mesmo que se dá com a Igreja, sociedade mais perfeita que qualquer outra por causa do seu fim elevadíssimo (nos impelir a Deus).

Esse sentido comunitário da Igreja pode ser observado em Romanos XII, 3-8, onde São Paulo compara a Igreja a um corpo, em que cada membro tem uma função que se aperfeiçoa na dinâmica com as funções dos outros membros. Devido a isso e devido ao entendimento de que o principal auxílio que um membro do Corpo Místico pode prestar ao outro é no âmbito espiritual, é que podemos ver o Apóstolo pedindo orações por si mesmo em Romanos XV, 30-32. Essa idéia será melhor desenvolvida na Carta aos Coríntios (XII, 12-30), na qual percebemos que a base em que se edifica a Comunhão dos Santos é formada por uma reciprocidade de serviços, por uma repartição dos bens individuais, pela permuta contínua de orações e de merecimentos, enfim, pela participação comum na riquezas espirituais da Igreja.

Infelizmente os protestantes gostam de negar algo tão belo. No rol interminável de citações bíblicas desconectadas do todo da Escritura que eles jogam na cara das pessoas, sempre encontramos I Timóteo II, 5 como uma das destacadas para negar a permuta de bens espirituais entre os membros do Corpo Místico. Esse é um erro flagrante de exegese, pois a leitura da perícope (do trecho temático), que vai do versículo 1 ao 7, vemos que São Paulo se contrapõe duas vezes ao erro dos herdeiros de Lutero. Primeiramente, do versículo 1 ao 4 ele pede orações por todos os homens, em especial pelos que estão constituídos em autoridade, e se por acaso logo no verso 5 ele negasse o que acabou de dizer, como querem os protestantes, teríamos de chegar à conclusão de que o Apóstolo era um esquizofrênico. Além disso, no versículo 6, que é uma continuação explicativa do trecho anterior, observamos que São Paulo na verdade não nega que existam outros mediadores entre Deus e os homens, mas apenas afirma que só há um mediador que se deu em resgate por todos (e não podia ser diferente), Cristo Nosso Senhor.

Superada essa falsa dificuldade, vamos em frente, tratando agora de quem não está incluído na Comunhão dos Santos. Naturalmente que alguém poderia dar uma resposta generalista, dizendo que não pertence à dita comunhão quem não é católico ou nunca foi, mas uma pormenorização faz-se necessária para a fixação da matéria. Desse modo, podemos listar que não permutam bens espirituais na Igreja:
  1. Os infiéis (quem nunca foi católico - ex.: muçulmanos);
  2. Os hereges (quem deixou a Igreja ao negar uma das verdades da Fé - ex.: protestantes);
  3. Os cismáticos (quem deixou a Igreja por não se submeter ao seu poder jurisdicional - ex.: os "ortodoxos");
  4. Os apóstatas (quem renegou toda a Fé católica);
  5. Os excomungados (quem foi punido pela Igreja com uma pena de excomunhão - ex.: quem faz ou auxilia diretamente num aborto).
E os pecadores? Estes, não possuindo a graça santificante, nenhuma contribuição trazem para o tesouro da Igreja, já que sua obras são desprovidas de merecimento sobrenatural. Muito justo seria que não participassem de seus favores. Entretanto, porque ainda pertencem ao Corpo Místico como membros paralisados que um dia, talvez, revivam, não estão completamente privados das vantagens da Comunhão dos Santos (Romanos VI, 19-23).

Por fim, devemos considerar de modo detalhado como se dá a permuta de bens espirituais entre os fiéis na Terra e desses com os Santos no Céus e com as almas no Purgatório:

a) Comunhão entre os membros da Igreja militante: Todos os fiéis estão unidos pela mesma herança, pelos mesmos sacramentos, pelo mesmo sacrifício. Participam dos bens espirituais comuns; podem auxiliar-se mutuamente por meios das orações, dos merecimentos e das boas obras. O justo tem a faculdade de oferecer por outro as próprias obras satisfatórias. Deus pode abençoar um grupo, uma coletividade, pode desviar certas tribulações ou calamidades, por causa dos merecimentos e sacrifícios de um só.

b) Comunhão entre os membros da Igreja militante com os da Igreja triunfante e os da Igreja padecente:
  • Com os eleitos: Os fiéis da Igreja militante invocam os Santos do Céu, escolhem-nos como intercessores junto de Deus, pedem a eles que apresentem ao Altíssimo os seus rogos no intuito de receberem os auxílios desejados.
  • Com as almas do Purgatório: A Igreja militante julga ser sua obrigação de caridade, e não raro de gratidão, amenizar os sofrimentos das almas padecentes "encurtando" a duração dos mesmos. Para este fim, vale-se das orações e das boas obras: esmolas, penitências, indulgências, mas, principalmente do Santo Sacrifício da Missa.
Alguns trechos bíblicos suplementares sobre este artigo do Credo:

I João I, 3

Colossenses I, 12-14

Efésios I, 22-23/IV, 16

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...