quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Amém no Batismo

Recebi a seguinte pergunta via Tumblr:

Por que não se diz o "amém" na forma do batismo? 

Nunca pesquisei sobre o assunto, mas penso que isso se deve ao fato de que a palavra amém significa assim seja, isto é, indica um desejo de que algo aconteça no futuro, enquanto no Batismo, como em todo sacramento, temos a graça se "derramando" ali, naquele mesmo instante.

sábado, 25 de agosto de 2012

O dom da vida e o aborto

Este texto agora pode ser lido aqui.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Evolução na defesa dos direitos humanos


Uma análise séria sobre o que ocorreu na Rússia pode ser lida aqui.

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

80 anos da Liga Eleitoral Católica

Com a proximidade das eleições municipais, nos meios católicos várias idéias sobre como alavancar a influência da Igreja no governo do país surgem de modo espontâneo, em geral repetindo propostas que nunca deram certo, como a criação de um partido próprio. Não precisamos desse amadorismo, na nossa história já temos uma "receita" sobre como angariar poder político nas atuais condições da sociedade: a que foi usada pela Liga Eleitoral Católica na década de 1930. Para torná-la mais conhecida, vou postar abaixo (com pequenas modificações) um artigo de Cláudio Roberto de Souza (mestrando em História pela UFPE) publicado no jornal Folha de Pernambuco em 17 de julho do corrente ano:  

D. Sebastião Leme
 O fim do século XIX trouxe a Proclamação da República e exigiu um reposicionamento das relações entre a Igreja Católica Romana e o Estado brasileiro. Um decreto de janeiro de 1890 separou a Igreja e o Estado através de diversas prescrições legais que foram confirmadas pela constituição de 1891. Foram criados o casamento e o registro de nascimento civil, os cemitérios passaram a ser administrados pelas prefeituras, o Estado não poderia subvencionar nenhum credo, as escolas religiosas podiam existir, mas o ensino em escolas públicas seguiria o princípio da laicidade. Mesmo que ainda muito presente no cotidiano social, a redução da influência política foi patente para a Igreja, que sofreu ainda com a falta de unidade nacional, numa situação de isolamento entre as dioceses, não existindo organismos que articulassem a sua ação institucional em nível nacional. A CNBB só seria criada em 1952, com a participação decisiva do então jovem D. Hélder Câmara.

Na década de 1920, o grande artífice da reação da Igreja frente a todas estas mudanças e problemas foi o cardeal do Rio de Janeiro, D. Sebastião Leme, e o leigo Jackson de Figueiredo, um intelectual católico de prestígio. O trabalho incansável desta dupla deu uma feição minimamente nacional à Igreja Católica e criou as condições para a sua presença mais organizada no cenário político pós-1930. A inauguração do Cristo Redentor em 1931 pode ser vista como um marco na retomada da influência da Igreja. A estátua foi inaugurada com a presença no Rio de Janeiro da maioria absoluta dos bispos do Brasil e, o mais importante, com Vargas e todo o seu ministério presentes, perfilados, ouvindo a pregação do homem que, fazendo jus a seu nome, deu rumo à Igreja Católica no país e reposicionou-a como um ator social fundamental diante do Estado. Nesse meio tempo, Jackson de Figueiredo teve um projeto de criação de um partido político católico negado por D. Leme. A influência da Igreja deveria ocorrer, na opinião dos bispos, por uma estratégia de formação de líderes que fossem comprometidos com o ideário católico e ocupassem funções públicas, não através de um partido exclusivo de católicos. A neutralidade advogada pelo cardeal favoreceu sua condição de negociador na crise de 1930 quando sob sua intermediação, Washington Luis e seus auxiliares foram preotegidos e conduzidos para o exílio, enquanto Getúlio Vargas e os liberais tomavam o poder.

Em 1932, Vargas promulgou o novo Código Eleitoral, que previa o voto secreto, a criação da Justiça Eleitoral, o fim do voto distrital com adoção dos sistema proporcional e o voto feminino. Aqui, a estratégia  traçada por D. Leme começaria a dar ainda mais resultados. As propostas iniciais acerca do voto feminino previam que apenas mulheres desquitadas ou emancipadas pudessem exercer tal direito, mas além da pressão das próprias mulheres e seus movimentos sufragistas, determinantes nesta conquista, os bispos também pressionaram pela adoção do voto amplo feminino, o que foi consignado no Código. Pela compreensão do clero, as mulheres, convertidas em novas eleitoras, estariam bem mais próximas da influência da Igreja e mais dispostas a votar em candidatos com ela identificados. A Igreja Católica ladrilhava uma nova forma de relacionar-se com o Estado, recuperando algo do terreno perdido em 1890.

Jackson de Figueiredo
Ainda em 1932, Vargas convocou as eleições para a assembléia constituinte, que ocorreriam no ano seguinte. Os bispos novamente se recusaram a chancelar qualquer proposta na direção da criação de um partido católico, mas estimularam amplamente a organização da Liga Eleitoral Católica (LEC), que elaborou uma plataforma mínima de princípios que foram apresentados aos diversos candidatos que pretendessem o apoio da Igreja. Apenas a partir do comprometimento destes candidatos com tais princípios, haveria a recomendação dos mesmos para os fiéis. Em essência, a LEC queria o compromisso de que o parlamentar não apoiaria projetos que favorecessem a dissolução do casamento, que impedissem a assistência religiosa em hospitais e nas forças militares, que as escolas religiosas funcionassem livremente, que a escola pública adotasse o ensino religioso e que o Estado instituísse mecanismos de proteção social para o trabalhador, princípios que estavam lastreados nas encíclicas sociais, proclamadas desde Leão XIII.

Desta forma, a LEC estruturou-se e disseminou suas atividades por todo o país através da mobilização do eleitorado, em particular as mulheres e de um programa para a adesão do candidato a ser apoiado. Elegeu parlamentares, inclusive o próprio Jackson de Figueiredo, e conseguiu aprovar ou vetar para a Constituição de 1934 todo o seu conjunto básico de propostas. Inclusive, sendo vitoriosa em uma discussão em particular, que tratou da inscrição de uma referência a Deus no preâmbulo da constituição, que não estava prevista no anteprojeto examinado pelos constituintes. Conseguiu, ainda, aprovar as proposições trabalhistas que refletiam a ética social católica e seriam incorporadas e ampliadas pelo trabalhismo varguista. Fruto da ação de prestigiosos e influentes bispos e intelectuais católicos, a LEC foi uma estratégia vitoriosa da Igreja que a recolocou no centro do cenário político pelas próximas décadas, mesmo separada do Estado.