sábado, 23 de fevereiro de 2013

Dez Motivos para os católicos agradecerem ao Papa Bento XVI

Reproduzo aqui uma tradução feita pelo confrade Adilson Boson Jr. na comunidade Apologética Católica de um texto publicado no blog do jornalista britânico Damian Thompson que, por sua vez, era a reprodução de outro de Luke Coppen:

O "Catholic Herald" - o único jornal católico britânico que realmente entendeu a missão de Bento XVI - publicou 10 razões pelas quais os católicos deveriam agradecer ao ministério do Papa. Com a permissão do editor, Luke Coppen, reproduzo-as aqui. Não espero que não-católicos, e que nem mesmo todos os católicos, concordem com o veredito do jornal; espero, porém, que ele ajude alguns leitores a entender porque Bento inspirou amor e lealdade tão intensos em uma época na qual comentaristas liberais estavam determinados a representá-lo de forma distorcida.

Damian Thompson
--------------

O pontificado de Bento XVI foi cheio de surpresas, e na segunda ele estourou a maior de todas. Sua abdicação - a primeira em quase 600 anos - pegou mesmo o Vaticano de surpresa. Enquanto lutamos para absorver essas notícias, aqui vão 10 razões para agradecer ao seu papado.

1. Sua firmeza.

Em sua homilia inaugural, Papa Bento disse: "Rezem por mim, para que eu não fuja por medo dos lobos." Em 2010, houve um esforço concertado da mídia na tentativa de forçar a sua renúncia, sob a capa da "crise dos abusos do clero". Ele se manteve firme e somente agora, num raro momento de tranquilidade no seu papado, ele escolheu renunciar.

2. A clareza cristalina de seus ensinamentos

Mesmo em sua abdicação, Papa Bento estava nos ensinando. Sua lição - a de que nenhum de nós deve se apegar ao poder - foi demonstrada com clareza e força características. Ele nos deixa com um rico corpo de ensinamentos, contido não somente em suas homilias, encíclicas e na sua "trilogia de Jesus", mas também nas suas ações.

3. Sua reforma da liturgia

A decisão do Papa Bento de levantar as restrições à forma antiga da Missa foi histórica. Ao mesmo tempo em que resgatava a Forma Extraordinária do esquecimento, ele renovava a celebração da Forma Ordinária da Missa em nossa paróquias, através da nova tradução inglesa.

4. Seu programa de purificação

Dos Legionários de Cristo às finanças do Vaticano, Bento XVI tentou purificar a Igreja da corrupção. Esse esforço concentrado foi escassamente registrado na mídia, mas a Igreja vai se beneficiar dele por muitos anos.

5. Seu diálogo com o Islã

Papa Bento não se deixou afundar quando sua palestra de Regensburg foi violentamente mal-interpretada em partes do mundo islâmico. Enquanto pedia desculpas pela ofensa não-intencional, ele mantinha o seu discurso, que clamava por uma aliança entre católicos e muçulmanos na nossa era secular. Como resultado, o diálogo islâmico-católico está indiscutivelmente mais forte hoje do que jamais foi. Essa é um alicerce vital sobre o qual seu sucessor poderá construir.

6. Sua bravura

Quando Bento XVI visitou a Turquia, num período de intensa raiva islâmica depois do discurso de Regensburg, ele se recusou a vestir um colete a prova de balas. Sua abdicação mostrou uma confiança igualmente corajosa na Providência.

7. Seu amor pela Inglaterra

Bento XVI sente uma especial afeição pela Inglaterra. Isso porque ele nos visitou em 2010, quando tantas outras nações ainda rasgavam a seda papal. Ele defendeu a consciência no Salão de Westminster tão eloquentemente quanto São Thomas More, quebrou sua própria regra para beatificar o cardeal John Henry Newman e reforçou nossa resolução em resistir ao secularismo agressivo.

8. Sua criação do ordinariato

O ordinariato para grupos de ex-anglicanos é um dos maiores legados de Bento XVI. É marcante o fato de que ele conseguiu criar essa nova estrutura, trazendo milhares de almas para a comunhão completa, sem danificar irreparavelmente as relações entre a Igreja Católica e a Comunhão Anglicana.

9. Seu equilíbrio

Papa Bento XVI foi inicialmente caricaturado como um "arqui-conservador". Mas logo se tornou claro que ele tinha uma mente flexível e desafiadora, que confundia as cruas rotulações. Numa época de pensamento desequilibrado, seu pensamento se destacou pela harmonia e integridade. Com sua noção da "hermenêutica da continuidade", ele reconciliou a fidelidade à tradição com a criatividade necessária para enfrentar os desafios do nosso tempo.

10. Sua humildade

Mesmo dentro da Igreja, é difícil para os homens renunciarem a poder e status. Papa Bento mostrou excepcional humildade ao sacrificar seu próprio ministério papal pelo que ele acredita ser o bem maior da Igreja.

Rezemos por ele, e pelo seu sucessor, como nunca rezamos antes.

12 de fevereiro de 2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...