Pular para o conteúdo principal

Simplesmente católico



Um vídeo inspirado no livro The Difference God Makes, do Cardeal Francis George (arcebispo de Chicago), que chama todos os católicos, sejam de que tendência forem, a abraçar as verdades salvadoras contidas no Depósito da Fé. Evidente que considero o slogan "sou apenas católico" algo sociologicamente impossível (em geral se é católico-progressista, católico-carismático, católico-neoconservador ou católico-tradicionalista), mas devemos ter o cuidado para que diferenças sociológicas não virem teológicas ou, aí sim, não seremos mais católicos. Voltar-se sempre à simplicidade do essencial é um exercício necessário ao equilíbrio eclesiológico.

Comentários

  1. Interessante Thiago, mas tenho algumas dúvidas quanto a isto:

    Alguém que se diz "católico progressista" pode ser considerado católico?
    Se sim, até que ponto não prejudicaria o propriamente "ser católico"?

    Seria correta também a denominação "católico carismático"?
    Eu sei, certamente, tal distinção é voltada para católicos participantes de movimentos ligados a rcc.
    Entretanto, todo católico de uma maneira ou outra tem carismas pois é batizado. Ou seja, todos católicos também são carismáticos. Paralelamente, vemos que é impossivel ser católico e não seguir a tradição, logo, todos católicos de fato são (ou deveriam ser) tradicionalistas...

    Enfim, dúvidas que necessitariam propriamente de outros artigos mas a pergunta central. Alguém que consegue ser otordoxo na doutrina do magistério da Igreja e obediente ao santo padre não poderia ser chamado apenas de "católico"?

    Desde já, obrigado pela atenção e grande abraço. Pax Domini!

    ResponderExcluir
  2. Não, não poderia, pelo menos no sentido que dou a essas divisões internas da Igreja, que é sociológico. Teologicamente todos são católicos, a Igreja os reconhece como tal (se alguém quiser negar a pertença de alguns desses grupos aos catolicismo, seria bom que também tirasse as conclusões lógicas da Igreja considerar um grupo de hereges como católicos); mas sociologicamente existem várias nuances, é natural que seja assim, em todos os séculos nunca tivemos alguém "simplesmente católico".

    Sobre os progressistas, veja a discussão que se seguiu a esse post:

    http://apologeticacatolicablog.blogspot.com/2009/08/12-jornada-teologica-d-helder-camara.html

    ResponderExcluir

Postar um comentário