Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2011

Cristo ressuscitou!

(A Ressurreição - Dionísio, 1502)

Tríduo

Programação na paróquia de Nossa Senhora da Soledade (Recife/PE):
Quinta-Feira:
17h - Missa (versus deum) na capela Nossa Senhora da Conceição dos Artistas (lava pés).
18:30h Missa na matriz (lava pés). Após a Missa transladação do Santíssimo e adoração até as 22h.
Sexta-Feira:
Via Sacra paroquial (Procissão do Encontro):
07h - Igreja matriz (início da Via Sacra);
07:30h - Basílica Menor (Salesiano);
07:50h - Instituto Nossa Senhora de Fátima;
08:00h - Praça Chora Menino, encontro das imagens do Bom Jesus dos Passos e de Nossa Senhora da Soledade.
15:00h - Liturgia da Paixão na Capela de Nossa Senhora Conceição dos Artistas.
17:00h Liturgia da Paixão na matriz. Procissão do Senhor Morto.
Sábado:
18:30h Víglia Pascal na igreja matriz. 
OBS: no domingo, antes da Missa das 18:00h na matriz, haverá adoração às 15:00h e a Caminhada da Ressurreição às 16:00h.

La otra Cuba

De fato, os anos 1960 foram decisivos para a propagação do modelo revolucionário cubano no espaço continental. Na prática, no entanto, embora Fidel Castro ainda permaneça à frente do poder na ilha-cárcere, a expansão do seu socialismo por meio da luta armada, conforme previsto, fracassou feio. Ou melhor, fracassou miseravelmente.
É justamente do fracasso da Revolução de Fidel que trata o bem estruturado "A outra Cuba", documentário dirigido por Orlando Jiménez-Leal e Jorge Ulla, tendo como âncoras os jornalistas exilados Valério Riva e Carlos Franqui - este último autor do livro "Retrato de Família com Fidel" e um dos homens-chave dos primeiros anos da revolução, com poderes para convocar e dispensar ministros.
O documentário em pauta, de 2 horas de duração, com formato para exibição em capítulos televisivos, representa a soma de dois anos de trabalhos empreendidos pelas produtoras SPA, SACI, R.A.I. e Guede Films.
O documentário, agora disponível no Youtube, é um pain…

O ex-covarde

Nelson Rodrigues, sempre atual - In A cabra vadia (novas confissões), Livraria Eldorado Editora S.A., Rio de Janeiro, s/data, págs. 7-10:
Entro na redação e o Marcelo Soares de Moura me chama. Começa: - "Escuta aqui, Nélson. Explica esse mistério." Como havia um mistério, sentei-me. Ele começa: - "Você, que não escrevia sobre política, por que é que agora só escreve sobre política?" Puxo um cigarro, sem pressa de responder. Insiste: - "Nas suas peças não há uma palavra sobre política. Nos seus romances, nos seus contos, nas suas crônicas, não há uma palavra sobre política. E, de repente, você começa suas "confissões". É um violino de uma corda só. Seu assunto é só política. Explica: - Por quê?"
Antes de falar, procuro cinzeiro. Não tem. Marcelo foi apanhar um duas mesas adiante. Agradeço. Calco a brasa do cigarro no fundo do cinzeiro. Digo: - "É uma longa história." O interessante é que outro amigo, o Francisco Pedro do Couto, e um outro…

A salvação dos pagãos mediante a Lei Natural

Pergunta feita pelo leitor Ruan:
Os pagãos se salvam mediante o cumprimento da Lei Natural?
Não, é incompleto dizer isso.Mais na frente pretendo fazer uma postagem só para aprofundar esse tema, mas, de maneira resumida, guarde o seguinte:um pagão em ignorância invencível, que cumpra a Lei Natural e acredite num Deus remunerador, pode se salvar.

Nós não temos dúvidas existenciais!

No mundo contemporâneo, guiado por falsos referenciais (falsas religiões e/ou falsas filosofias), os homens se mechem sofregamente em busca de algo que nunca irão possuir: o bem que lhes dará sentido à existência. Felizmente, mesmo no deserto em que vivemos, a bondade do Senhor permite a existência de oásis, que no papel de "sinais de contradição" nos lembram da Verdade, nos lembram o que faz tudo ter sentido (trecho do documentário O Grande Silêncio):

Arte católica antiga: introdução

(afresco românico)
Jacó, despertando de seu sono, exclamou: “Em verdade, o Senhor está neste lugar, e eu não o sabia!” (Gênesis XVIII, 16)
E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade. (João I, 14)
Eu vi descer do céu, de junto de Deus, a Cidade Santa, a nova Jerusalém, como uma esposa ornada para o esposo. Ao mesmo tempo, ouvi do trono uma grande voz que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens. Habitará com eles e serão o seu povo, e Deus mesmo estará com eles. (Apocalipse 21, 2-3)
Possam essas fundações ser dignas de ser por Ti fortalecidas, estes tetos de estar sob Teu abrigo; possas Tu entrar nessas portas e penetrar o mais recôndido santuário… para que a paz feliz, a davidosa hospitalidade, uma abundante provisão, a reverência religiosa e a abundância de salvação jamais faltem neste lugar. (trecho da cerimônia de consagração de uma igreja no rito gregoriano)
O espaço …

Oito dicas para uma boa convivência entre ensino e aprendizagem

De algumas passagens onde Santo Tomás de Aquino fala de relações idênticas ou similares às de professor/aluno, podemos extrair oito dicas (sigo um texto do confrade Sávio Laet):
1- Aprendizagem e disciplina comedida: “Se a dor ou tristeza é moderada, pode acidentalmente ajudar a aprender, enquanto retira o excesso dos prazeres. Mas, por si, impede o estudo, e se for intensa, suprime de todo.” [TOMÁS DE AQUINO. Suma Teológica. I-II, 37, 1, ad 2];
2- Correção moderada: “[...] é vicioso reparar nos erros do próximo para menosprezá-lo, difamá-lo ou, simplesmente, inquietá-lo, sem proveito algum” [Idem. Ibidem. II-II, 167, 2, ad 3];
3- Princípio de caridade: “Deve-se dizer que é louvável atentar, com boa intenção, para o que os outros fazem, se for para utilidade própria, vendo as boas ações alheias como estímulo a ser melhores, ou se for para a utilidade do próximo, para que este, seguindo as regras da carida…

Como fazer uma monografia pseudo-intelectual nota 10

A comédia da vida universitária nacional (infestada por adeptos de "movimentos", pela esquerdopatia e pela falta de apreço à verdade e ao conhecimento como bens em si mesmos - muitos fazem o que fazem só para aumentar um pouco o "lates"):

Doze teses para uma Filosofia Concreta

Por Álvaro Antônio da Costa
A dialética é a arte de esclarecer através das idéias. E esclarecer, porque a alétheia, a verdade dos gregos (que não deve ser confundida com o nosso conceito fáustico de verdade, nem com o aristotélico de adequação) significava iluminar o que está em trevas. Revelar a verdade era vê-la, penetrar por entre suas sombras e ver com os olhos do espírito a beleza real das coisas.
(Mário Ferreira dos Santos em "Lógica e Dialética")
Tese I

A abstração separa os diversos entes considerados, o conceito os une numa síntese inteligível. 
A filosofia deve ser concreta como o mundo real é concreto1. A experiência onipresente da presença infinita do ser é o que articula e torna possível a unidade do mundo real. Se a realidade sempre se apresenta por inteiro, e os entes do mundo real se apresentam sempre em sua singularidade, é porque há algo que existe para além e que é a garantia mesma da permanência da estrutura da realidade. Estrutura da realidade ess…

A criação geme em dores de parto

Recentemente participei de um debate no Orkut sobre os efeitos do pecado original na natureza (não a natureza humana, mas a natureza em geral - Romanos VIII, 22) e dele colhi o seguinte comentário do confrade Rui:
O mal moral é ausência de ordem em relação ao fim último. Como tudo se ordena naturalmente ao fim último, o mal moral só é possível na criatura racional, que possui livre arbítrio.

A única consequência do pecado original na criação pode ter sido uma ausência de ordem em relação ao seu domínio pelo homem. Competia ao homem, em estado de justiça original, possuir o domínio sobre toda criação, e agora não compete mais. Por isso, a natureza às vezes se volta contra o homem, e se voltará totalmente contra o homem condenado, após o juízo final.

Se se entende esse domínio do homem como natural, pode-se dizer que a natureza perdeu algo da sua disposição original, mas não se tornou pior intrinsecamente, no que ela é em si mesma, nos seus fins próprios, independentes do home…

As línguas, um desafio

A problemática da variedade lingüística sempre foi algo que chamou a atenção dos católicos, pois a missão de pregar o Evangelho a todos os povos teve (e tem) como um grande obstáculo a necessidade de comunicação (a Sagrada Escritura, inclusive, usa o mito da Torre de Babel - Gênesis XI, 1-9 - para dar conta dessa dificuldade humana). Do esforço para facilitar o entendimento surgiram várias traduções das principais obras em uso na Igreja (Bíblia, catecismos, escritos dos Santos, documentos papais, etc.) e a valorização de certas línguas na liturgia (latim, siríaco, grego, eslavão). Nesse quadro, creio que a seguinte série de pequenas aulas do famoso lingüista francês Claude Piron pode jogar uma luz sobre essa questão:
Compreensão

A diversidade das línguas

A desvantagem lingüística


As instituições internacionais


Passar de uma língua a outra


Isso custa…


O medo do real


O funcionamento do cérebro


A programação genética


A solução

Fui humano

Devo à Providência a graça de ser pobre: sem bens que valham, por muito pouco estou preso à roda da fortuna, nem falta me fizeram nunca lugares rendosos, riquezas, ostentações. E para ganhar, na modéstia a que me habituei e em que posso viver, o pão de cada dia não tenho de enredar-me na trama dos negócios ou em comprometedoras solidariedades. Sou um homem independente. Nunca tive os olhos postos em clientelas políticas nem procurei formar partido que me apoiasse mas em paga do seu apoio me definisse a orientação e os limites da acção governativa. Nunca lisonjeei os homens ou as massas, diante de quem tantos se curvam no mundo de hoje, em subserviências que são uma hipocrisia ou uma abjecção. Se lhes defendo tenazmente os interesses, se me ocupo das reivindicações dos humildes, é pelo mérito próprio e imposição da minha consciência de governante, não por ligações partidárias ou compromissos eleitorais que me estorvem. Sou, tanto quanto se pode ser, um homem livre. Jamais…

Ateísmo é sinônimo de intelectualidade?

Abaixo temos algumas citações extraídas do folheto Gott existiert, reproduzidas em Pergunte e Responderemos, n. 316, setembro de 1988, e da publicação alemã: Todos pensam que Deus existe ! (Königsbach; D – 67435 Neustadt – Burgunderstr. 44).

Charles Darwin, famoso autor da teoria da evolução:

“Nunca neguei a existência de Deus. Creio que a teoria da evolução é plenamente conciliável com a fé em Deus. A impossibilidade de provar e compreender que o grandioso e imenso universo, assim como o homem, tiveram origem por acaso parece-me ser o argumento principal para a existência de Deus”.

Isaac Newton (1642-1727), fundador da física clássica e descobridor da lei da gravidade:

“A maravilhosa disposição e harmonia do universo só pode ter tido origem segundo o plano de um Ser que tudo sabe e tudo pode. Isto fica sendo a minha última e mais elevada descoberta” .

Alessandro Volta (1745-1827), físico italiano, descobridor da pilha elétrica e inventor, cujo nome deu origem ao term…

Olavo de Carvalho fala sobre o metacapitalismo

Um dos maiores problemas de entendimento da parte dos liberais sobre a crítica católica ao capitalismo sem limites que muitos deles ainda defendem, é julgarem que essa crítica implica numa condenação à economia de mercado como instrumento de criação de riquezas. Isso não é verdade. Creio que este vídeo, onde o Professor Olavo de Carvalho fala sobre o seu conceito de metacapitalismo, explica bem o que está na base do julgamento católico sobre o tema.