Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2013

Perfil de Kierkegaard

Artigo do Professor Inácio Strider sobre Kierkegaard (Jornal do Commercio, Recife 22 de maio de 2013 - com modificações ortográficas):
Kierkegaard: 200 anos
Segundo as más línguas, Sören Kierkegaard (1813-1855) era mais conhecido em Copenhague pelas roupas exóticas que por sua filosofia. Até as babás, quando queriam repreender uma criança por não se vestir bem, diziam que ele era um "Sören Kierkegaard".
Kierkegaard nasceu em 5 de maio de 1813, ano da bancarrota da Dinamarca. Mesmo com dificuldades, Kierkegaard teve infância e juventude abastadas. Seu pai era um comerciante bem sucedido em Copenhague. A educação que recebeu, juntamente com a de seis irmãos, foi rigorosamente pietista, de acordo com uma tradição da igreja luterana.
Sendo o mais novo, teve aproximação especial com seu pai, que o induziu a se matricular no curso superior de teologia. Inicialmente Kierkegaard demonstrou interesse. Mas, em breve, relaxou, e era mais visto nos cafés do que na universidade. Esta vi…

Tempos modernos...

Pichação num banheiro de faculdade de comunicação.

Manual do Breviário de São Pio X

No “mundo tradicionalista católico” há uma controvérsia sobre quais rubricas do rito gregoriano usar, e isso também se reflete no Ofício Divino. Nesse âmbito, há um pequeno grupo, formado primordialmente por sedevacantistas, que prefere as de São Pio X (o Breviário segundo esse sistema pode ser encontrado aqui), e, para ajudar quem optou por rezar desse modo, vou postar um manual (em inglês) sobre o uso do Ofício com essas regras:
Manual do Breviário de São Pio X

Publix pró-vida

Comercial da loja americana Publix para o dia das mães que acabou tendo um inesperado viés pró-vida:

Maria "Medianeira" conforme o Vaticano II

Entre os títulos atribuídos a Maria no culto da Igreja, o capítulo VIII da Lumen Gentium recorda o de "Medianeira". Embora alguns Padres conciliares não compartilhassem plenamente essa escolha (cf. Acta Synodalia III, 8, 163-164), este apelativo foi inserido de igual modo na Constituição Dogmática sobre a Igreja, como confirmação do valor da verdade que ela exprime. Teve-se, porém, o cuidado de não o ligar a nenhuma particular teologia da mediação, mas de o elencar apenas entre os outros títulos reconhecidos a Maria. O texto conciliar, além disso, refere-se já ao conteúdo do título de "Medianeira" quando afirma que Maria, "com a Sua multiforme intercessão, continua a alcançar-nos os dons da salvação eterna" (LG, 62). Como se recorda na Encíclica Redemptoris Mater, "a mediação de Maria está intimamente ligada à Sua maternidade e possui um carácter especificamente maternal, que a distingue da mediação das outras criaturas". Deste ponto de vista, …